Logomarca Grupo de Estudo do Joelho de Campinas

Excelente Reunião de Revistas abre programação 2021

Ainda não foi presencial como gostaríamos, mas 2021 começou com uma excelente Reunião de Revistas abrindo nossa programação do ano. Nesta última terça-feira, 23/02, tivemos o prazer de contar com dois grandes convidados: Dr. Riccardo Gobbi (Departamento de Ortopedia e Traumatologia do HCFMUSP), que dividiu sua experiência sobre o “Tratamento cirúrgico da instabilidade patelar”, e Dr. Gabriel Peixoto Leão Almeida, do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal do Ceará, abordando “Atualidades sobre retorno à prática esportiva após cirurgia de reconstrução do LCA em atletas”.

A reunião teve início com a apresentação do artigo científico – “Anteromedial Tibial Tubercle Osteotomy Improves Results of Medial Patellofemoral Ligament Reconstruction for Recurrent Patellar Instability in Patients With Tibial TuberosityeTrochlear – Groove Distance of 17 to 20 mm” - feita pelo nosso R4 Dr. Hugo Dalla Bellardia Daher. Esse artigo foi publicação pelo Dr. Carlos Eduardo Franciozi, da Unifesp, e colegas em 2018 na Arthroscopy.

Na sequência, o fisioterapeuta Dr. Gabriel Leão fez sua apresentação, na qual mostrou o protocolo para liberar um atleta para a prática, que em resumo é o seguinte:

- Exame clínico; 

- Força ISM < 10%; 

- Relação A/Ant = 55-65%; 

- Hop test ISM < 10%; 

- ACL-RSI: Retorno ao treino > 63 pontos / Retorno ao esporte > 76 pontos; 

- IKDC > 90 pontos; 

- Teste T de agilidade < 12 segundos; 

- Tempo > 9 meses.

A aula do Dr. Gobbi trouxe uma boa discussão sobre o tratamento cirúrgico da instabilidade patelar, pois na USP há um grande volume de cirurgias para essa patologia. Ele explicou que atualmente faz a reconstrução da LPFM com grácil ou patelar (fixação simples patela e fêmur). O release lateral é exceção. A distalização é frequente e a trocleoplastia apenas se a luxação habitual em extensão e bump for meno que 5mm. A medialização da TAT isolada é raríssima. Uma das suas preocupações é com o esqueleto imaturo com fatores de risco ósseos (TAGT > 15mm, displasia tróclea e patela alta > 1,20).

Foi uma reunião de grande nível científico com a participação aproximada de 50 colegas, entre ortopedistas e fisioterapeutas. Agradecemos os palestrantes pela contribuição ao nosso Grupo e contamos com todos para a próxima reunião, na terceira terça-feira de março.

Wilson Mello – Presidente do GEJC

José Francisco Nunes – Vice-presidente do GEJC

Gustavo Campos – coordenador da reunião


Veja Mais

16º Curso de Cirurgia do Joelho: sucesso em Campinas

Leia Mais Veja outras edições

Assista ao Making off do Curso